05 – ARQUITETOS CONTEMPORÂNEOS

Arquitetura Contemporânea

Atualmente nós contamos com tecnologias anteriormente jamais pensada, avançados programas de computação gráfica, simuladores que prevêem comportamento da edificação em qualquer momento do ano, a arquitetura contemporânea deve estar conciliada com isto, fazendo uso de todas estas ferramentas, “A indústria da Construção Civil busca de maneira constante e insistente, materiais alternativos ecologicamente corretos, que venham atender as condições de redução de custos, agilidade de execução e durabilidade.” A produção contemporânea de qualidade deve observar todos estes itens e fazer valer a preocupação com o meio ambiente, a nossa única casa, a casa de todos, o mundo. É de nossa responsabilidade sua conservação e manutenção, temos na arquitetura, neste momento, um papel fundamental, para ajudamos na reversão dos fatores que tanto preocupam nossa sociedade.

————————————————————————————————————————————————-

Jobin Carlevaro———————————-Por Neimar Neckel

“A premissa básica é que o edifício da sede do CREA-PR seja um marco arquitetônico quanto às questões ambientais, de acessibilidade e também como construção de excelência tecnológica.” (itens do edital). “É com base nesta premissa que o projeto arquitetônico foi desenvolvido. As questões ambientais de sustentabilidade foram incorporadas ao projeto desde o lançamento do partido, na implantação. A orientação solar bem definida e a morfologia do terreno geraram uma proposta longitudinal, aberta para as fachadas norte e sul e fechada para o leste e oeste” (JobinCarlevaro). Afirmam que foram analisadas todas as condições climáticas da cidade de Curitiba, relacionadas ao terreno e seu entorno para gerar uma solução com amplo desempenho energético e de conforto.

A preocupação com o meio a ser inserido a edificação, principalmente ao quesito respeito ao meio ambiente deve ser fundamental, estes fatores julgo fundamental na arquitetura contemporânea. “A criação de um átrio voltado para a fachada norte atende a estas exigências e gera uma integração espacial de todos os setores do programa. Este átrio constitui o ponto principal da proposta, criando um acesso claro, organizando os fluxos e valorizando a área verde proposta ao seu lado, liberando ao máximo a ocupação do terreno e preservando a área permeável estipulada pela normativa.” (JobinCarlevaro).

Ao criarmos um ambiente devemos ter claro na nossa concepção, que estes serão usados por seres humanos, que precisam de ambientes salubres, que proporcione qualidade e harmonia e convivência. “Grandes balcões/floreiras se distribuem em cada pavimento criando um ambiente de trabalho com mais qualidade. As soluções de fachadas respondem às exigências de conforto ambiental (térmico e de iluminação). A combinação de materiais opacos, com brises e grandes áreas envidraçadas resultam em uma proposta de linguagem contemporânea.” (JobinCarlevaro).

vestibulares com ambiência de fácil leitura

O programa deve sempre estar coerente com o que se deseja, fluxos, organograma, o ambiente deve ser aliados com toda a concepção de arquitetura fácil, acessível. É possível observa uma ambiência com fácil leitura “Atender às necessidades programáticas e funcionais requeridas de forma clara e eficiente é uma das premissas para alcançar uma solução arquitetônica coerente com o seu uso. O programa de necessidades requerido foi organizado a partir dos diferentes níveis de acesso e relacionamento.” (JobinCarlevaro).

“No pavimento térreo foi localizada a Regional de Curitiba com uma recepção específica e outra para o público geral. Através deste pavimento se tem acesso diferenciado ao Plenário e Salas de Eventos (dois primeiros pavimentos), no grande átrio envidraçado, por escadas com escala compatível com a importância destes setores e acesso exclusivo, sem interferência com o fluxo das atividades administrativas. Nos três pavimentos subseqüentes ficam organizadas os Departamentos e Assessorias, em planta livre com fácil readequação. No último pavimento situa-se a Presidência com a Secretaria Geral que se relacionam com uma grande área de cobertura jardim.A setorização de circulações e serviços repete-se em todos os pavimentos, proporcionando uma organização espacial, construtiva e técnica.” (JobinCarlevaro).

 

Residência Unifamiliar  ---- FONTE: http://www.jobimcarlevaro.com.br/#

Imagens do Concruso para Sede do CREA - PR ----FONTE: http://www.jobimcarlevaro.com.br/#

Imagem interna do concurso para Sede do CREA-PR ----- FONTE: http://www.jobimcarlevaro.com.br/#

Residência Unifamiliar ------ FONTE:http://www.jobimcarlevaro.com.br/#

————————————————————————————————————————————————-

Gustavo Penna———————————-Por Daniele da Silveira

 Busco no Arquiteto e Urbanista Gustavo Penna referências de suas obras, pois traz uma linguagem universal e busca espaços iluminados, leves e múltiplos, traz limpidez nas suas formas e volumes traços que o identificam. Valoriza seus projetos e as áreas urbanas dando  uma atenção maior aos espaços  sem a utilização de grades. Utiliza materiais diversificados, como o concreto, a madeira, o vidro, dando mais ênfase ao aço e ao metal. Obras com tecnologia e sustentabilidade é seu forte.

Biografia

Nascido em Belo Horizonte, Gustavo Penna fundou seu escritório no mesmo ano em que se formou em arquitetura pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1973. Há mais de 35 anos no mercado, o arquiteto é diretor de uma equipe que já projetou, além de diversas residências, o edifício da Rede Globo Minas (Belo Horizonte), o Museu de Congonhas (Congonhas, MG) e a Escola Guignard (Belo Horizonte). Um de seus últimos projetos é o Memorial da Imigração Japonesa, inaugurado em maio de 2009 na Pampulha, em Belo Horizonte, um dos mais renomados arquitetos contemporâneo do Brasil.

Obras

Monumento à Liberdade de Imprensa, Brasília, DF, 1989

O  Monumento à liberdade de Imprensa é uma obra com 1000 m², que deverá se transformar em mais um marco arquitetônico e cultural da Capital Federal.

Monumento a liberdade de Imprensa ----- FONTE:Fonte: Revista Projeto nº 248

Edifício Santiago de Compostela, Belo Horizonte, MG, 1995

O edifício foge da lógica comum, tendo como partido e embasamento e coroamento e uma postura urbana na implantação e acessos do edifício. O edifício mostra que o arquiteto utilizou formas curvas e linhas retas, usou materiais como o concreto e o vidro. Faz relação com seu entorno, e relação com a rua.

Edifício Compostela ----- FONTE: Fonte: Revista Projeto nº 226

Centro de Feiras e Exposições de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1996

O Centro de Feiras e Exposições de Minas Gerais é um espaço de grande porte para realização de feiras, exposições, convenções e outros eventos. Com projeto arrojado, baseado em flexibilidade, multi-funcionalidade e racionalização.

Centro de Feiras e Exposições ----- FONTE: Fonte: Livro Gustavo Penna

Residência, Brumadinho, MG, 1999

Esta residência é a síntese do trabalho de Gustavo Penna, as formas retas, os materiais utilizados foram a madeira o concreto e o vidro, a obra passa necessariamente pela relação da edificação com o seu entorno.

Residência ------ FONTE: Fonte:www.arcoweb.com.br

Residência Mangabeiras, Belo Horizonte, MG, 1999

Esta residência, o arquiteto fez uma referência com à paisagem. Na casa, a montanha e a cidade, cenários grandiosos, são enquadrados pela “câmera” do arquiteto.

Residência ------ FONTE:www.arcoweb.com.br

 ————————————————————————————————————————————————-

Arthur Casas Mattos———————————-Por Jucilaine Bortoloso

O arquiteto Arthur Casas Mattos foi escolhido por usar formas simples e geométricas, e com isso alcançar leveza, proporção e estética, por integrar os ambientes e também por se preocupar com a sustentabilidade no projeto, usando materiais encontrados no local.

Arthur Casas Mattos formou-se em Arquitetura e Urbanismo na Universidade Mackenzie de São Paulo em 1983, elabora projetos de interiores, residenciais e comerciais.   A partir de 2003, Arthur decidiu focar seu trabalho através de outras perspectivas, se tornando um arquiteto cada vez mais conectado com o meio-ambiente e com o pensamento sustentável.

O arquiteto Arthur Casas Mattos foi escolhido por usar formas simples e geométricas, e com isso alcançar leveza, proporção e estética, por integrar os ambientes e também por se preocupar com a sustentabilidade no projeto, usando materiais encontrados no local.

Arthur Casas Mattos formou-se em Arquitetura e Urbanismo na Universidade Mackenzie de São Paulo em 1983, elabora projetos de interiores, residenciais e comerciais. A partir de 2003, Arthur decidiu focar seu trabalho através de outras perspectivas, se tornando um arquiteto cada vez mais conectado com o meio-ambiente e com o pensamento sustentável.

Análise das obras

Os edifícios feitos por ele possuem características modernas, que podem ser percebidas em suas formas.

  • Uso de concreto armado, pré-moldados, madeira, alvenaria de pedra e tijolos, estruturas metálicas;
  • Possui grandes aberturas;
  • Uso constante do vidro;
  • Balanços;
  • Linhas retas;
  • Formas simples e geométricas;
  • Adapta o edifício a topografia;
  • Possui ambientes integrados, não só entre si, mas com o ambiente externo também, através de grandes panos de vidros, permitindo a farta incidência de luz no interior da casa.
Quinta da Baroneza-São Paulo —– Fonte: http://www.arthurcasas.com/pt/projetos/arquitetura_residencial/mpsp
A residência foi feita da mesma pedra encontrada na área. —– FONTE: http://www.arthurcasas.com/pt/projetos/arquitetura_residencial/sgilhabela

 ————————————————————————————————————————————————- 

Fernando Peixoto———————————-Por Andréia Zezak

A minha percepção de Arquitetura contemporâneo consigo observar no trabalho de Fernando Peixoto que obteve formação na Escola de Arquitetura da UFBA em 1969, tem acima de 2 milhões de m2 de projetos de casas, edifícios residenciais e comerciais executados em 8 estados do Brasil.  Palestrante convidado em eventos no Brasil e exterior com mais de 40 palestras em eventos e instituições de ensino superior em mais de 12 estados brasileiros. Utiliza formas geométricas, jogo de cores, a linhagem estética da obra arquitetônica de Fernando Peixoto tem forte influência da tendência neoplástica que partiu das linhas verticais e horizontais, no sentido de criar uma construção coletiva. O uso de cores, transforma a “cara” da cidade, dando um colorido todo especial, fazendo com que a obra de arquitetura requeira para si, muita atenção. o edifício passa a ser um marco, um ponto de referência. 

 São três os motivos que me levam a usar a cor. Primeiramente, porque é um dado mais universal do que a forma, por ser a cor sensorial e não cultural, como a forma. Em segundo lugar, porque o Brasil tem fartura de luminosidade. E, finalmente, por não onerar os custos e proporcionar maior liberdade de manipulação da imagem. Minha meta é o contraste entre as cores. Não tenho predileção por uma cor específica. Uso cores fortes e vivas, mas o branco e o cinza, por exemplo, são muito presentes nas minhas obras. Também uso muito o sentido diagonal, uma influência da estética africana. Essa inspiração vem das artes gráficas, no que diz respeito às linhas bem demarcadas. Talvez em outras partes do Brasil meu trabalho não tivesse a força e o apelo que possui na Bahia. 

Em sua concepção, um prédio contemporâneo não pode deixar de ter todos os aparatos eletrônicos, mas tem que possuir referências da cultura local. “Um prédio é uma máquina de morar ou trabalhar, mas é necessário colocar significados que simbolizem as pessoas. Sempre procuro olhar em volta”, justifica. 

Para explicar suas idéias, Peixoto cita o exemplo da criança que usa roupas e tênis de bolinhas e listras coloridas e estuda em uma escola branca e cinza. Segundo ele, há algo de errado com a construção, já que a escola é que foi feita para a criança freqüentar e não o contrário. “Quem fez a escola não observou o menino, achou que ele fosse de menor importância. Não entendo porque alguns profissionais não observam essas coisas”, comenta.
Mas é preciso deixar claro, também, que o trabalho de Peixoto não é folclórico.     Como ele mesmo faz questão de ressaltar, não é preciso fazer um forno a lenha para dizer que é regional. “Busco uma alternativa de modernidade como a Bossa Nova fez. Ela deu uma nova forma ao samba tradicional. Quero que meu trabalho seja a Bossa Nova da arquitetura”, conclui. 

Obras Residênciais 

Edifício Residêncial —– FONTE:http://fernandopeixoto.com/fotos.html
Edifício Residêncial —– FONTE:http://fernandopeixoto.com/fotos.html
Edifício Residêncial —– FONTE:http://fernandopeixoto.com/fotos.html
Edifício Residêncial —– FONTE:http://fernandopeixoto.com/fotos.html

Obras Comerciais 

Edifício Comercial ----- FONTE:http://fernandopeixoto.com/fotos.html

Edifício Comercial —– FONTE:http://fernandopeixoto.com/fotos.html
Edifício Comercial —– FONTE:http://fernandopeixoto.com/fotos.html
Edifício Comercial —– FONTE:http://fernandopeixoto.com/fotos.html

————————————————————————————————————————————————- 

Referências Bibliográficas 

http://fernandopeixoto.com/textos.html 

http://arcoweb.com.br 

http://arthurcasas.com.br 

http://jobincarlevaro.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: